Uma linha | Christiano Scheiner

 

É que não estava necessariamente em crise, fazer arte era mais uma maneira de me matar aos poucos como se o ato substituísse o suicídio e a prisão da forma não me permitisse partir.