Natal da minha cabeça – Paisagem II | CHRISTIANO SCHEINER

Durante o Natal, esperava por luzes: de várias ordens e tamanhos. Ela tinha a forma arredondada de caber mil canhões multicores: mas durante esses dias precedentes nem estrela e nem o vizinho, com seu pisca-pisca chamativo, lhe ditaram alegria. Não apreendia a luz do corpo – que estava em mim!, para borrar um pouco de natal os meus finais dias do ano. E a paisagem ficou apenas vermelha de coca-cola.